25 de agosto de 2010

Poemas no Ônibus - A Cor da Cota

Ontem precisei ir ao centro da cidade na hora do almoço e como está cada vez mais difícil estacionar por lá, resolvi ir de ônibus. Para aqueles que por ventura não sabem, aqui em Porto Alegre existe um projeto muito interessante chamado "Poemas no Ônibus e no Trem" e como de costume, ao sentar no ônibus, fiz a varredura de todos os cartazes procurando por textos interessantes. Foi ai que me deparei com um muito bom, sobre um tema muito polêmico e que cada um tem uma opinião diferente, que é o sistema de cotas, mas que foi apresentado de maneira tão simples e sutil naquele poema escrito na janela que resumiu toda a sua complexidade em algumas palavras. Gostei tanto que reproduzo aqui esta bela obra:

A cor da cota 
(Felipe Lopes Campos)

Não é negra.
Não é índia.
Não é pobre.

A cor da cota é caos.

Quilombo
Oca
Favela

A cor da cota... aquarela
Pintada nas cores do carnaval.

Parabéns pelo poema Felipe, e se tu tem mais poemas por ai, compartilhe com a gente!

3 comentários:

Pérola Anjos disse...

Que projeto mais lindo!

Quisera eu que aqui em Salvador tivesse tão inteligente e sensível projeto!

Beijos!

Felipe Carriço disse...

Na minha opinião, cota não é quilombo. É tronco.

Rolando disse...

Olá. Boa tarde! Estive por aqui.Hehehehe. Muito legal. Apareça por lá. Abraços.