15 de julho de 2010

Horário Nobre

Chegou em casa ansioso para contar mais uma incrível aventura vivida naquela louca selva de pedra em que morava, mas foi contido por um retumbante pedido de silêncio.
Todos na sala estavam ocupados demais para lhe dar ouvidos, mergulhados na história vivida por um ator meia boca, em uma selva de pedra cenográfica, tentando representar a incrível e louca aventura vivida por um cidadão comum.
Sentou em silêncio no canto da sala e cabisbaixo ficou esperando os comerciais para ter a sua vez de falar.

2 comentários:

Luciano Correa disse...

PUTA MERDA, ODEIO QNDO ISSO ACONTECE...AHAHAHAHHA

lorena lago disse...

as vezes a gente é trocado por tão pouco , né??É até dificil de acreditar