3 de fevereiro de 2010

Realizado

A indecência daquelas curvas fazia ele perder completamente a decência dos pensamentos.
Depois ficava todo bobo pelos cantos a sorrir, lembrando cada segundo daqueles incríveis e intensos momentos.

Um comentário:

Felipe A. Carriço disse...

Adoro montanha russa também!