7 de janeiro de 2009

Dia de aula

Do lado oposto da sala ela não presta muita atenção na aula
Talvez saiba que eu olho para ela... (elas sempre sabem...)
Mas finge não saber
O braço sustenta a cabeça sobre o caderno fechado
Seu rosto, através da expressão, transparece cansaço
Mas sem deixar, jamais, a beleza de lado
E continua a não me ver...
Sua pele clara como a neve combina de maneira espantosa com seus olhos
Seu cabelo dourado, que a todo momento ela deliciosamente joga para o lado
Cobre uma parte do seu rosto de menina e um de seus olhos esverdeados
Sem maquiagem pesada, lábios rosados perfeitamente desenhados
Como o mais doce anjo dos meus sonhos juvenis
Passo a aula encantado com tamanha pureza
Deslumbrado com sua incrível leveza
E nem percebo o tempo passar...
A aula acabou e ela se foi
Não sei o seu nome, muito menos sua história
Apenas seu perfume ficou na memória
Acompanhando por onde quer que eu vá
Sigo andando, pensando, lembrando...
Quem sabe um dia ela me nota
E na sala de aula, a cada vez que cruzar pela porta
Eu veja um lindo sorriso brilhar

3 comentários:

Nine disse...

Me fez lembrar das mocinhas arcades!

Beijos =*

Flávia disse...

Elas sempre sabem, mas fingem não saber.

E não é que é assim mesmo? Fiz muito isso na minha época de salas de aula... coisa boa que era.

Beijos!

O (EX) HOMEM SEM MEDO disse...

É mesmo uma imagem celestial, meu caro.
Talvez, somente comparável a uma certa Srta K bem conhecida nossa.
Beleza de harmonia de linhas!
Que alvura!
Que rubor!

Se falo de K ou de sua musa inspiradora? Bem, deixarei que se decida por si.
Ademais, vos congratulo!