30 de setembro de 2008

Sorte grande

Acordou empolgado, abraçou, beijou, encheu ela de carinho.
Estava atrasado para o trabalho, mas se atrasar um pouco mais por causa de uma boa transa seria um excelente motivo.
Foi completamente ignorado...
Cabisbaixo, vestiu-se como quem veste uma armadura para mais um dia de guerra. Lavou o rosto, escovou os dentes, tirou um tatu seco do nariz, peidou e sorriu.
Estava quase saindo de casa quando ela se levantou. Cruzaram-se na porta do banheiro... teve que se esquivar para que os dois passassem ao mesmo tempo pelo estreito marco da porta, ele saindo, ela entrando. Nenhuma palavra foi dita.
Seus olhares cruzaram outra vez no corredor que leva para a porta da frente. Mais uma vez nenhuma palavra foi dita.
Saiu de casa pensativo, queria entender o que havia acontecido, mas chegou na esquina e já estava pensando no que faria com todo aquele dinheiro do prêmio acumulado da loteria que iria ganhar no próximo sorteio...
Fingiu trabalhar por mais de 8 horas.
Caminhando de volta para casa pensou em como se acertar com ela.
Pensou por um tempo, mas logo lembrou do prêmio da loteria e imaginou que dentro de alguns dias naquele mesmo momento, ele poderia estar em um possante conversível. Sorriu novamente.
Ao entrar em casa foi cruelmente fuzilado pelos olhos dela. Era sua vez de ir ao mercado, mas como ele voltou de conversível, acabou esquecendo das compras da semana.
Um festival de palavras foi o que se viu. O clima ficou quente, mas eles se acertaram, afinal de contas, apesar dos pesares eles ainda se amavam!
Imediatamente veio em sua mente uma cena de sexo ardente para comemorar a reconciliação e assim partiu pra cima.
Com a sutileza de um elefante e a frieza de um iceberg ela se esquivou, alegou um mal estar qualquer que ele fingiu entender, mas sentia uma faca atravessada em seu peito.
Voltou a pensar no prêmio que iria ganhar, um pequeno sorriso apareceu em seus lábios, virou para o lado e dormiu no cantinho da cama.
Os dias vão passando e ele continua indo e voltando do trabalho a pé...
As vezes ainda sonha com a sorte grande...

5 comentários:

Flavinha disse...

Nossa, isso me doeu. Soou como um dèja-vu. Pior que o fim, é a agonia de uma relação moribunda.

Beijos, moço.

A Outra disse...

muito bom!
bjsss

Pàris disse...

sonha é bom ajuda a apaziguar os dia

Larissa Santiago disse...

e ela sonha com o dia do sexo bom!

Flávia disse...

passando pra dizer oi :)

Beijos, linda semana pra vc.