26 de setembro de 2007

Questão

Um ponto de interrogação surge
Grande, bem no meio da testa
O aperto no peito só piora
O nó na garganta deixa a mente inquieta
A imaginação voa longe
Da voltas que até o diabo duvida
Procuro mas não acho respostas
Muito menos questões a serem respondidas
Definitivamente...
Preciso urgente encontrar a saída

3 comentários:

Wesz disse...

Dos poemas no onibus, eu gosto dessa:

Eu e a Outra

Exiges de mim boa forma.
A outra, quanto mais redonda melhor.
Raramente marcas encontro comigo.
Mas com a outra o encontro é semanal.
E pontual.
Enfureço-me, enquanto a outra permenece inerte.
Mas tenho minhas vantagens.
Pois acaricia-me, enquanto a outra
Chutas.

Eufrásia Severgnini

K. disse...

Que delícia o seu blog!

tks pela visita no meu... mas, essa semana não estou muito "divertida" não..rs.
faltaram idéias.. o tico e o teco cheiraram alguma coisa que não deviam (a meia, é claro.r.s.. ).. aqui em são paulo tá frio demais.

beijo

A Outra disse...

de que valem as interrogações sem as respostas? com certeza, uma incessante busca.
belas palavras.
bjs!

sobre o vídeo e os pesadelos: vai ver ou assistir playboy que passa. =P